Pesquisar este blog

Novidades!!!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

A Selva - Regulamento de vida para um padre secular


  Santo Afonso Maria de Ligório
(27/09/1696 - 02/08/1787)
Bispo de Santa Àgata
Confessor
Doutor Zelosíssimo da Igreja
Fundador dos Missionários Redentoristas

A Selva


APÊNDICE

Regulamento de vida para um padre secular


I - De manhã

1. Os primeiros atos ao levantar

De manhã, ao levantar, fará o sacerdote atos de agradecimento, amor e oferecimento de tudo quanto obrar e sofrer durante o dia. Terminará por uma súplica a Deus e à santíssima Virgem, para obter a graça de não cair em nenhum pecado.
Eis como estes atos podem ser formulados:
Meu Deus! Prostrado na vossa presença, adoro a vossa Majestade infinita, e submeto-me a vós inteiramente.
Creio em vós, espero em vós, e amo-vos de todo o meu coração.Dou-vos graças por todos os benefícios, e em especial por me haverdes conservado a vida durante esta noite. Ofereço-vos todos os meus pensamentos, palavras, ações e sofrimentos deste dia, em união com os de Jesus e Maria.Formo a intenção de ganhar todas as indulgências que puder, e de as aplicar pelas almas do Purgatório.
Meu Deus! Por amor de Jesus Cristo, livrai-me de todo o pecado. Meu Jesus! Pelos vossos merecimentos, fazei que viva unido a vós. Maria, minha Mãe! abençoai-me, e acolhei-me sob o vosso manto. Meu anjo da guarda e todos os meus santos patronos, intercedei por mim! Amém.
Recitam-se em seguida três A. M. em honra da pureza da santíssima Virgem

2. Oração mental


O padre começará o seu dia por meia hora de oração mental sobre as verdades eternas, ou sobre a paixão de Jesus Cristo, cuja meditação mais particularmente convém a um padre antes de celebrar, por isso que vai renovar ao altar a memória dela, oferecendo a Deus a mesma Vítima e o mesmo sacrifício. Na oração, depois de lido o assunto, cuidará de produzir atos de dor e amor, e endereçar muitas vezes a Deus preces fervorosas, para obter a perseverança na graça e o seu divino amor. Tome cautela em não deixar a oração, qualquer que seja o tédio e aridez que nela experimente. Se a deixar, colocar-se-á no maior perigo de perder a Deus. Embora não pudesse dizer outra coisa senão: Meu Deus! ajudai-me! Meu Jesus, misericórdia! — a sua oração lhe aproveitaria muito.
Para estar mais recolhido na oração, encerre-se num lugar, em que possa estar a sós com o seu crucifixo. Para isto, procure quanto possível ter um quarto à parte; se o não puder conseguir, mais valerá fazer a sua oração na igreja, do que no meio do ruído das pessoas que passam e conversam.

3. A santa missa

Após a oração, recitará as horas menores até Nôa em seguida irá celebrar.A não haver algum impedimento, conviria para mais recolhimento que celebrasse antes de todas as ocupações do dia.
Além da meditação, não deixará de fazer ainda uma curta preparação para a missa, avivando a fé no grande mistério que vai celebrar; que faça ao menos três atos: de amor, de contrição, e de desejo de se unir a Jesus Cristo.Depois da missa, não omitirá a ação de graças, durante uma hora, ou ao menos meia, aplicando-se a produzir atos de amor, de oferecimento e de súplica. O tempo que se segue à missa é o de ajuntar tesouros de graças.Quando sobrevier algum estado de secura interior, em que nada possa fazer por impulso próprio, leia ao menos nalgum bom livro afetos piedosos para com Jesus Cristo.

4. As confissões e o estudo

Se é confessor, terminada a ação de graças, irá confessar. Cumpre observar que, nos dias de maior afluência, poderá abreviar a ação de graças para ouvir as confissões, mas isso somente em casos tais, que são raros. De ordinário, não deve o confessor deixar a sua ação de graças depois da missa, para que os penitentes não esperem nada. Quando porém vierem para se confessar homens, que não costumem freqüentar os sacramentos, fará bem em os ouvir antes de celebrar; porque esses penitentes não têm paciência para esperar, e se não se confessarem naquela ocasião, Deus sabe quando se confessarão.
Quanto ao sacerdote que não é confessor, esse irá estudar. Aplique-se tanto ao estudo da moral, para se tornar capaz de administrar o sacramento da penitência, como à composição de sermões, e a outras coisas semelhantes, que aproveitem à sua instrução, ou ao bem das almas.

5. Da ordem nos exercícios

Importa observar aqui que nem todos os exercícios, de que se fala neste regulamento, devem ser praticados pela ordem exposta; contanto que se façam no decurso do dia, isso basta; pouco importa que um preceda o outro, conforme se julgar mais conveniente. Assim, por exemplo, no inverno, em que amanhece mais tarde, pode estudar uma ou duas horas, depois da meditação e do ofício. De resto, um padre que quer viver conforme a dignidade do seu estado, deve fixar o tempo e a hora para todos os seus exercícios, de modo a cumpri-los numa ordem constante; não faça como alguns que nenhuma ordem observam nas suas ações. A vida sem regra é uma imagem do inferno, que Jó chama: Terram miseriae et tenebrarum, ubi umbra mortis, et nullus ordo, sed sempiternus horror inhabitat (Jó 10, 22).

6. O almoço

Chegada a hora do almoço, comerá sobriamente, como convém a um padre. Não imite certos padres glotões, que desde a manhã querem toda a família ocupada em lhes preparar as iguarias, e, se depois as não encontram ao seu gosto, inquietam todos os domésticos e parentes. “O que procura contentar a sua boca jamais se tornará santo”, dizia S. Filipe de Néri. E, se o padre deve ser sóbrio na alimentação, mais ainda no uso do vinho, cujo excesso é mais pernicioso à virtude, sobretudo à castidade.
Ao sábado, em honra da santíssima Virgem, procure observar ao menos o jejum ordinário, se não se crê com forças para jejuar a pão e água; em último caso, que se contente com um só prato. De mais, nalgum outro dia da semana, como na quarta e sexta, e em todas as novenas de nossa Senhora, prive-se ao menos de alguma coisa à mesa.

II - Exercícios para depois do meio dia

1. A leitura espiritual

Tomado o descanso necessário, o padre recitará Vésperas e Completas, e fará em seguida meia hora de leitura espiritual. Para esta leitura poderá servir-se do tratado do Conhecimento e do Amor do Filho de Deus, pelo Pe.Saint- Jure, ou da Perfeição cristã, pelo Pe. Rodrigues, livros cheios de piedade e unção1. Poderá também servir se doutras obras, mas busque principalmente as Vidas dos Santos, como a de S. Filipe de Néri, S. Francisco de Borja... Nos livros espirituais, vêem-se as virtudes em teoria; nas Vidas dos Santos, vêem-se praticadas, o que move mais à imitação. S. Filipe de Néri não cessava de exortar os seus penitentes à leitura das Vidas dos Santos.Quantos santos, tais como S. João Colombiano, Santo Inácio de Loyola e Santa Teresa deverem a essa leitura o impulso que os levou a darem-se inteiramente a Deus!

2. A visita ao Santíssimo Sacramento e à Santíssima Virgem

Depois da leitura espiritual, irá fazer a sua visita ao Santíssimo. Dos simples fiéis, muitos há que todos os dias praticam com exatidão este santo exercício, e nunca faltam a ele, por qualquer embaraço ou incômodo que lhes sobrevenha; mas é raro, muito raro até, encontrar padres seculares que o façam. É preciso confessá-lo, Jesus Cristo está mal servido com os seus padres! Tudo isso deriva do pouco amor que lhe têm: quem ama ternamente um amigo, procura vê-lo todas as vezes que pode, sobretudo quando as suas visitas são muito agradáveis a esse amigo.
Por esta visita não intendo apenas algum Padre nosso, dito de passagem e com distração diante do altar; consiste ela em aplicar o espírito, por um tempo considerável, a excitar afetos piedosos para com Jesus Cristo no santíssimo Sacramento, e em lhe pedir graças, — principalmente o dom da perseverança final e do seu santo amor. Ai! Quem deveria pois ir entreter-se com Jesus Cristo mais vezes e por mais tempo, que um padre, a quem é dado fazê-lo descer do Céu à terra todos os dias, tomá-lo nas próprias mãos, alimentar-se da sua carne adorável, e ainda para seu proveito encerrá-lo no tabernáculo, onde pode gozar da sua presença todas as vezes que quiser?Depois da visita ao Santíssimo, não deixe de visitar também, na mesma igreja, a Mãe de Deus, pondo-se na presença da imagem que lhe inspirar mais devoção.

3. O recreio

A seguir, poderá recriar-se por algum tempo, passear pelo campo, ou por algum caminho solitário, em companhia de algum padre ou pessoa espiritual, que fale de Deus e não do mundo. A falta de tal companhia , deve ir só, para não perder com algum companheiro mundano todo o recolhimento adquirido nos exercícios de piedade. Se nesse tempo vago pudesse assistir a alguma academia de moral, mais aproveitaria: lá encontraria ao mesmo tempo recreio e lucro.


III - Exercícios da tarde

1. Antes de cear

De tarde, convém que o padre faça ainda uma meia hora de oração mental. Se possível fosse, conviria que a fizesse com a todas as pessoas da casa, lendo ele os pontos da meditação, e terminando-a com os atos das virtudes cristãs.
Depois rezará Matinas e Laudes, seguidas de meia hora de estudo.Em seguida, recitará o terço com a gente da casa, tendo o cuidado de indicar os mistérios que se devem meditar, e concluirá pelas ladainhas da santíssima Virgem.

2. A ceia

Ao terço seguir-se-á a ceia, na qual deve ser ainda mais sóbrio que ao almoço. Se o não for e se exceder, não só sofrerá do estômago e da cabeça, mas não poderá de manhã satisfazer aos deveres importantes que lhe incumbem: meditar, celebrar e ouvir confissões. Tudo será feito com distração, tédio e em grande parte perdido.

3. Últimos atos antes de se deitar

Depois da ceia fará o exame de consciência, seguido do ato de contrição e doutros atos de piedade. Em seguida recite prostrado três A. M. à santíssima Virgem, encomende-se aos seus santos patronos e deite-se.Eis a oração que pode fazer antes de se deitar:
Meu Deus! Agradeço-vos a graça de me haverdes conservado durante este dia; rogo-vos que me conserveis também esta noite e me preserveis de todo o mal. É para vos agradar que vou tomar este repouso, na intenção de, a cada respiração, vos amar, louvar e servir, como fazem os Santos no Céu.Maria, minha Mãe! Dignai-vos abençoar-me e guardar-me sob o vosso manto. Anjo da minha guarda e meus santos patronos, intercedei por mim!


IV - Exercícios não diários

1. A confissão

O padre se confessará duas vezes, ou ao menos uma por semana. Não deixará de ter um diretor espiritual, que o encaminhe em todos os exercícios espirituais, e mesmo nos negócios temporais que possam interessar à sua alma.

2. O retiro mensal

Fará cada mês um dia de retiro, em que ponha de parte os negócios temporais, e até os espirituais que respeitam ao seu próximo. Retirado em sua casa ou numa casa religiosa, só cuidará de si próprio em silêncio, consagrando o dia inteiro a orações, leituras espirituais, visitas ao Santíssimo, e outros exercícios semelhantes. Ó! que força colhe a alma nestes retiros, como se une mais intimamente a Deus, e ganha impulso para caminhar a passo mais firme nos dias seguintes!

3. Alguns avisos particulares

Nas tentações, principalmente contra a pureza, renove a resolução de sofrer antes mil mortes, que ofender a Deus; recorra logo a Jesus e Maria, invocado os seus nomes santíssimos até que a força da tentação acalme.Vista sempre com modéstia. usando casaco comprido, e nunca seda.Evite os grandes jantares, os divertimentos do mundo, e as reuniões dos seculares, sobretudo aonde afluírem mulheres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA