Pesquisar este blog

Novidades!!!

sábado, 30 de junho de 2012

Do Abbé Moulin para Mons. Williamson: vá ao Capítulo!

VÁ A ECÔNE, MONSENHOR WILLIAMSON...


Neste documento - que eu traduzi (não domino o Francês, portanto perdoem os erros que porventura encontrarão, considere, apenas, a boa vontade) - o Abbé Charles Moulin aconselha Mons. Williamson a ir a Ecône, apesar da proibição de Mons. Fellay.

Publico a carta a título de conhecimento, pois eu não concordo com "todos" os termos que dela constam, sobretudo quando se expressa a favor do acordo (seja qual for o eufemismo usado) ou do levantamento das excomunhões dos grandes Esquecidos. Sobre a ida ou não de Mons. Williamson a Ecône, acredito que o que ele decidir será sábio e prudente, pelo Bem Comum. Mas sobre isso voltarei a falar em outro post. Afinal, há um tempo para calar e outro para falar...

Aqui vai a carta:




Monsenhor,

Queira perdoar o caráter público destas linhas que eu me permito respeitosamente e amigavelmente de vos endereçar, em seguida à última correspondência interna do Secretário Geral da Sociedade informando-nos de vossa exclusão do próximo Capítulo Geral em Ecône.

Além disso, é ao amigo pessoal de Mons. Lefebvre, ao Decano dos Bispos da Fraternidade, ao ex-Superior, Diretor-adjunto do Seminário de Ecône, a meu ex-Professor de filosofia e de teologia, a um Irmão mais velho no sacerdócio e, finalmente, a um Amigo de mais de quarenta anos de minha família providencialmente reunida sob a égide de Nossa Senhora do Monte Carmelo que eu vos peço, respeitosamente, que desconsidere aquela correspondência, consequência de um provável e infeliz mal-entendido a seu respeito, e que não desista de ir como planejado a Ecône para o Capítulo Geral, em julho próximo. É verdade que nestes tempos difíceis pelos quais passa a Fraternidade, segundo as caridosas palavras do bom rei Louis XVI expressas em seu admirável testamento: "souvent dans les moments de trouble et d'effervescence, on n’est pas maître de soi".

Ignore o cânon 1331, §§1 e 2, inabilmente invocado contra vós, uma vez que também condenaria a "rebelião e a desobediência" de Mons. Lefebvre e comprometeria a legitimidade de sua desobediência contra a Roma modernista que dirige a Igreja desde o último Concílio!

Um verdadeiro mal-entendido, se eu considerar meu conhecimento pessoal acerca do nosso Superior Geral, com quem entrei para o seminário de Ecône há quase 35 anos, que me permite afirmar que, aquele que mostra, durante meses, uma verdadeira benevolência, compreensão e caridade para com os antigos inimigos da Igreja e da Fraternidade, e que está disposto, em um espírito de abertura, a dialogar com eles, já que parecem ter suspendido sua perseguição contra nós... não pode agora perdoar a seu "confrade de armas" alguns desvios de obediência, depois de tantos anos de combates comuns, fieis e heroicos ao serviço de Cristo Rei, de sua Igreja, da Fé, da Santa Missa e do Sacerdócio na reta linha do combate de Mons. Lefebvre.

Que ele queira punir o fato de que um verdadeiro “Bispo fala” e responde modestamente, a cada semana, aos legítimos questionamentos dos "católicos perplexos" diante desta evolução por muito tempo considerada positiva da igreja conciliar. Em um momento muito delicado, quando lhes é solicitado de retomar o estudo atento e objetivo dos textos do Concílio Vaticano II, e a "ler nas entrelinhas” os textos, comunicados e decisões das autoridades romanas, a fim de discernir essas ditosas mudanças que o inclinem, não secretamente, mas discretamente, a rever favoravelmente, em nome de toda a Tradição, seu juízo sobre as leais disposições das autoridades romanas a nosso respeito e sua sinceridade de operar alguma reforma da "Igreja" deles. Por exemplo, a de estar atento aos fatos, como o que ocorreu recentemente na Córsega, onde o Bispo local generosamente se ofereceu para vir confirmar os fiéis de nossa capela, segundo o rito tradicional...

Além disso, Monsenhor, pelo fato de, providencialmente, o senhor não estar envolvido nas discussões doutrinárias com as autoridades romanas, parece-me que nosso Superior, preocupado por nossa futura independência de palavras, de apostolado e de ação da Fraternidade "intra muros", não pode que se alegrar com vossa liberdade de expressão, privilégio autêntico e tradicional de todo bispo católico, ao mesmo tempo pastor, guardião e defensor do pequeno rebanho contra todos os inimigos da Igreja, tanto do lado de fora quanto de dentro. A Igreja não nos mostra S. Paulo pregando a boa doutrina "oportuna e inoportunamente", chegando até a repreender severa e energicamente o grande São Pedro?: “Quando, porém, Cefas chegou a Antioquia, opus-me a ele abertamente, pois merecia censura (...) Eu disse a Cefas, diante de todos...” (Gal. 2,11).

Também me é difícil imaginar que nosso Superior Geral, que foi um dos alunos mais atentos de vossas conferências no seminário de Ecône, e que vos deve, assim como a Mons. Tissier de Mallerais, o essencial de sua sólida formação filosófica e teológica, possa, neste período particularmente delicado para o futuro de nossa Fraternidade, dispensar os vossos conhecimentos e vossas luzes no próximo Capítulo Geral que marcará, sem dúvida, a sua história.

Sobretudo me é especialmente difícil conceber que nosso Superior, sempre apreensivo pela unidade da Fraternidade, possa, legitimamente, excluir um dos quatro bispos escolhidos por Mons. Lefebvre, sem quebrar a união íntima e indissolúvel desejada por ele, e destruir sua complementaridade harmoniosa.

Vosso servo está pessoalmente convencido de foste providencialmente escolhido por nosso Fundador, a fim de prevenir eficazmente, por vosso carisma pessoal e meritório de convertido do anglicanismo, uma sempre possível “protestantização” de nossa modesta Fraternidade, depois de assistirmos, impotentes, àquela operada durante cinquenta anos em toda a Igreja.

Também é difícil, para mim, compreender que ele queira se privar de vosso precioso conhecimento em matéria de táticas subversivas, modernistas, liberais e revolucionárias dos inimigos da Igreja. Formação largamente enriquecida ao longo do tempo, por vossos contatos estreitos e amigáveis com alguns homens que foram providencialmente suscitados para o nosso tempo (embora, infelizmente, alguns deles tenham se tornado bastante impopulares em nossos meios tradicionais após o trabalho de certo “Gentleman cambrioleur”!). Eu penso particularmente a estes senhores Pierre Virion e A.-M. Bonnet de Viller... e muitos outros, incluindo Jean Vaquier... que são todos escritores essenciais a se conhecer para a formação de uma boa compreensão da terrível crise religiosa, social e política que estamos atravessando, e inclusive nosso Superior não pode ignorar os escritos sobre a recomendação do Senhor que convida os discípulos a "ser tão simples como as pombas e prudentes como as serpentes".

É, por fim, é difícil, para mim, imaginar este Capítulo Geral sem a vossa eminente presença, o que poderia, talvez por solidariedade, privá-lo também da presença de vossos dois outros Confrades no Episcopado, mas, sobretudo, privar nosso Superior Geral de vossos preciosos conselhos na redação final das razões fundamentais que serão necessariamente levadas às autoridades romanas para justificar a recusa da Fraternidade em aceitar os termos da mais recente proposta do Cardeal Levada, julgada por ele inaceitável.

Queira Deus que, esse mal-entendido feliz e rapidamente dissipado, o Capítulo Geral com todos seus integrantes, possa encontrar toda a sua legitimidade, e permita, em paz e unidade, a todos os delegados do Capítulo de se acordarem, ao mesmo tempo em que meditem, frutuosamente, esta verdade maravilhosamente formulada por São João Crisóstomo que disse que "é melhor confiar nas injurias de um amigo do que nos beijos ávidos de um inimigo", e trabalharem, finalmente, para pedir às autoridades romanas, com o levantamento da excomunhão dos dois principais Esquecidos, a plena reabilitação de nosso venerado e reverenciado Fundador Mons. Marcel Lefebvre, a quem nós devemos tanto!

Esperando com todo meu coração que levareis em conta a minha súplica, queira aceitar, Monsenhor, os protestos da minha respeitosa e sacerdotal amizade in Christo Rege et Maria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA