Pesquisar este blog

sábado, 8 de setembro de 2012

Cisma modernista?


Um texto para reflexão. Nem tudo que está escrito nele coincide com o que penso.

Cisma modernista?



clique para ampliar
Periodicamente, ouço falar da possibilidade de que se efetue um cisma por parte dos modernistas. A bem da verdade, os modernistas estão já, de fato, "fora da Igreja", pois o vigente Código de Direito Canônico[1] sanciona com a excomunhão "latae sententiae" aqueles que abraçam a heresia, e nós sabemos que os modernistas negam a Ressureição de Cristo, a natureza sacrifical da Missa, a Presença Real, a Virgindade perpétua de Nossa Senhora, a eternidade[2] do Inferno, a existência do Purgatório, a infalibilidade do Papa quando proclama um dogma de Fé etc. Portanto, são heréticos excomungados há um bom tempo. O que é grave é que, às vezes, essas heresias são afirmadas até nos púlpitos.

Contudo, no que diz respeito a um formal “cisma modernista”, não penso que acontecerá. Eis o porquê: o modernismo é como um parasita, para viver precisa permanecer agarrado à Igreja, sem a qual morreria. Se os modernistas fizessem o cisma, seriam poucos a segui-los, e seus templos ficariam quase desertos, um pouco como está acontecendo nas comunidades eclesiais protestantes de velho estilo[3]. Ou pensemos em Milingo, o qual, mesmo que não classificável nas fileiras dos clássicos modernistas (é um tipo “sui generis”), fundou uma Igreja toda dele. Quiçá, talvez alguém poderia esperar que muitos padres, desejosos de se casarem, viriam a deixar a Igreja Católica para aderir à Igreja de Milingo, e, no entanto, o bispo africano se encontrou com poucos sequazes.

Não sei se na Igreja persistirá o cisma "de facto", ou se se passará ao cisma formal. De qualquer maneira, somente Deus pode nos salvar dessa horrível praga do modernismo[4]. Rezemos pela conversão dos adeptos da "síntese de todas as heresias".

Fonte: Cordialiter.
Tradução: Giulia d'Amore di Ugento



[1] Pós-conciliar, claro, mas ainda assim condena a heresia – NdTª.
[2] E até, e frequentemente, a existência do Inferno – NdTª.
[3] E em alguns ambientes pseudo ou ex-tradicionalistas. – NdTª.
[4] Ou podem se voltar à Tradição, por exemplo. Afinal, se se devesse ficar apenas rezando, sem agir, bastava sentar na calçada e esperar pela ajuda Divina! – NdTª.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA